sexta-feira, novembro 18, 2005

VERSINHOS DE SÃO MARTINHO...

Proponho que cada um faça aqui uns versos alusivos ao verão de S. Martinho, ao póprio Santo, às castanhas, binho e átecetera...
Aqui vai aminha contribuição:

Ó verão nunca mais chegas
Tardas muito em chegar
Vá lá ver se vem o sol
Ao invés de magasalhar

Ó sol, anda depressa
que safoda àgricultura
Grelos é o que há mais
Nabos ainda mais

Este sol do São Martinho
Não maquece nem marrefece
Antes pelo contrário
Nem é rata nem é pito

Ó castanhas das cuecas
que não vejo há muito ano
porque tomo muito banho
porque tomo muito banho
(todos em referão...porque tomo muito banho, porque tomo muito banho)

São Martinho era Lutero
Vigário de Witenberg
Protestante, dizem uns
Protestava contra o clero
(todos, todos: protestava contra o clero)

Mas um Santo protestante?
Que palhaçada é esta?
Era um Santo interessante
Protestava contra o clero
(Todos, todos: mas que palhaçada é esta?)

Heresia, é o que é
Mas fui eu que a cometi
Ao dizer tal heresia
estou taqui estou ali
(em uníssono: porque tomo muito banho, porque tomo muito banho)

Pronto...deixem o vosso versinho, que o prémio é um botaõzinho...ehehehehehe...de rosinnha...ehehehehe

14 comentários:

bombas disse...

Indágora falei contigo
O telefone foi o meio
Deu-me logo grande vontade
De te partir pelo meio

Espero pois quesclareças
Não é o mesmo S. Martinho
O Lutero é outra história
Tu queres é buber binho.

Trabalhar e escrevinhar
é sempre mui dificil
Para masé ó galinhas
Anda lá pagar o tacho...

ASS: O Poeta de Foz Côa

Pedro Galinhas disse...

Ó Poeta de Foz Côa
Tenho aqui uma coisa
Morde aqui na minha broa
E não digas que muita coisa

Vou pagar, sim senhor
Um almoço nas pombinhas
Amanhã pagas tu
Domingo, eu outra vez

Segunda pagas tu
Terça já sou eu
Quarta lá tás tu
Quinta outra vez eu
(todos em coro: quinta, outra vez eu)

De refeição em refeição
Se reforça a situação
A comer pombas assim
vamos ter um triste fim
(todos: se reforça a situação)


Voumembora, tem que ser
Já deves estar à minha espera
Ó meu lindo Sao Martinho
nesta nova era
(todos, todos: ai meu lindo São martinho, ai meu lindo são Martinho (dez vezes, em voz de opereta)

bombas disse...

Ai meu lindo São martinho...
Ai meu lindo São martinho...
Ai meu lindo São martinho...
Ai meu lindo São martinho...
Ai meu lindo São martinho...
Ai meu lindo São martinho...
Ai meu lindo São martinho...
Ai meu lindo São martinho...
Ai meu lindo São martinho...
Ai meu lindo São martinho...

Não é nada como dizes
Muito mengraxas o sapato
Pagas tu e pago eu!!!!como???
Sabe-me sempre tudo a Pato..

LOL

Merda de rima foi essa
Mas pr'às tuas chega bem
É no que dá isto de tentar
Muito fazer tudo à pressa.

A broa eu te mordi
Não senti foi nada
Deves pensar que amandas
Uma rica empada

A única que senti
foi a d'Avintes no ristorante
A tua Anda murcha e cansada
Deixai jogar o Mantorras...


Ai meu lindo São martinho...
Ai meu lindo São martinho...
Ai meu lindo São martinho...
Ai meu lindo São martinho...
Ai meu lindo São martinho...
Ai meu lindo São martinho...
Ai meu lindo São martinho...
Ai meu lindo São martinho...
Ai meu lindo São martinho...
Ai meu lindo São martinho...

Pedro Galinhas disse...

Anda murcha e cansada
Dizes-lo bem velho amigo
Vou mas é pegar na inchada
Vou recolher ao abrigo
(todos, todos: anda murcha e cansada, anda murcha e cansada)

Ó deus do Pénis herectus
faz-me valer teu poder
Dá-me uma bença por favor
Não o deixes afalecer
(Todo: faz-me valer teu poder, faz-me valer teu poder)

O dedo e a lingua
Bem hajas, bom Deus
Ao menos isso
Ao menos isso
Ao menos isso
(em conjunto:ao menos isso, ao menos isso)

Mas morto não estou
Ela há-de recuperar
Neste verão de S Martinho
Já a sinto a despontar


Ontem fiz-lhe um carinho
E já senti-la a despontar
Ai S. Martinho, um milagre
Não deixes quela se vá
(e já senti-la a despontar, e já senti-la a despontar)

Mas se o bom Deus a quiser
E sem ela me deixar
É porque ela era boa
E ele quer-la utilizar
(e ele quer-la utilizar, ai quele quer-la utilizar)

Usei-la tanto, ai Jesus
Usei-la tanto e tão bem
Cagora fui castigado
Por ser desmesurado
(todos: usei-la tanto, ai jesus)

canjas disse...

ahah ahaha ahaha,
ahaha ahaha hihih,
ahaha ahaha ahaha,
ahaha ahaha hihih!

bombas disse...

DEVIA SER PRÓIVIDO FAZER RIR OS AMIGOS DURANTE A HORA DE EXPEDIENTE.
AINDA ACAVO POR SER DESPEÇO.
TENHO DITO.

Dr.Lux0 disse...

“Ca gandas” gays me sairam
Estes dois valentões
Não sei porque os pariram
Esta raça de panascões!

É com muita alegria e satisfação
Que vos agradeço do coração
Os altos momentos de comoção
Que me quedarão na recordação.

Deixemo-nos de mariquices
E passemos ao ataque
Para as vossas paneleirices
Tenho um assunto em destaque:

Só falam de “pénes e ir-ó-cú”
Que provas querem mais?
Parecem um “voi” e um gnu
A comerem nos anais

Lamentar a impotência
É um grave problema
Trata disso com urgência
Ou vais enfrentar um dilema

Gosto dele ou gosto dela
Começarás a pensar tu
E ao puxares da fivela
É “páki” ou é “pókú”?

Larai larai larai
Já diziam antigamente
Se fosses para o Dubai
Passavam-te o pen...te

O outro, onde trabalha,
Tem um caso animal
Uma pomba da Batalha
Ganhou um andar anormal

Era manca, coitada
Antes do actroz acto
E de uma assentada
Ficou a andar à pato

São Martinho, São Martinho
Dos meus santos milagreiros
Não “deixandes” este casalinho
Serem assim, tão paneleiros...

bombas disse...

Ólha-meste, ólha-meste
Vem-nos falar de panasquices
Jogamos Sábado à bola
Fartou-se de nos virar o cu.

O quele queria sei eu
Mas para ele estava murcha.
Preferia eu em antes
Dar com a tolinha na xuxa

Vasa daqui ó frinxolas
Tens um cu muita duro
Não tens pêlo na cabeça
E és um grande cagarolas

Dr.Lux0 disse...

Pra rimar como "debe de" ser
Tens de comer muita broa
Sendo assim, vai-te phuder
Vai chatear a patroa

Rima assim, muito magra
Não condiz com o autor
Se tá murcha, toma viagra
E mete-a no teu cú, ó estupor!

(Siga pra bingo!!!)

Lo0o0o0o0o0oo0o0oo0oL

Pedro Galinhas disse...

Luxo poeta, não sabia
Veia tem ele, o danado
Porventura, todavia
Terá que ter mais cuidado

Acusação infundada
Difamatória porventura
Reputação imaculada
Dos camaradas de aventura

Acusa-nos de rabichos
Infundada acusação
De levarmos com chouriços
Quando gostamos do que é bão

Buracos, sim, mas femininos
Nunca peludos de gay
Nem homens , nem meninos!
Rachas de mula é nossa lei

E agora, meu rapaz
Se queres continuar
Terás que ser mais audaz
E outros assuntos procurar

bombas disse...

Siga pa bingo diz o outro,
Siga pa bingo sim senhor.
Além de me chamar gordo,
Chama-me também estupor.

Por isso isto assim não fica,
Vou ter de o martelar
Vou-le dizer tantas de pica
Que o vou deixar a chorar.

Pela boca morre o peixe
Tu, pior não vais ficar
Será melhor que te deixe,
Não vas as calças borrar.

Para a bola não serves não,
P'ró bilhar, nem pensar,
À malha és um panão
Nem sequer sabes nadar.

Entretanto fui almoçar,
Fui tachar ao "Magestic"
Deixei isto por comentar
E só deu pó pic-nic...

O que vale é que encontrei o Galo
E não me deixou com fome,
Dei-le uma trinca na broa à Home
Em troca, chupou-me o gargalo...

Dr.Lux0 disse...

Sou poeta mas não Aleixo
Para o bem e para o mal
E de resto não me queixo
Da minha vida sexual

Vocês “à” que estão danados
Palavras vossas, não minhas
Ou porque têm os bolsos furados
Ou porque andem nas pombinhas

Pombas da Batalha mancas
Sejam feias ou bonitas
Marcha tudo pelas ancas,
Pela boca ou marmitas

Pra chorar é preciso mais
Não vou lá tão facilmente
Palavras e outras que tais
Não perturbam a minha mente

De borrar calças fala o douto
Fica descansado Sr. Vomvas
Não sou da família Couto
Nem tenho as tuas “tromvas”

De episódios ouvi falar
Sobre merdas descontroladas
MIJEI-ME a rir e a chorar
Do cómico dessas cagadas

Quem tem arte pra ganhar
De bola estamos conversados
Se me quiseres apanhar
Come sopas-de-cavalos-cansados

No bilhar viste-me pouco
Pra tirar as conclusões
Taco e bolas, Chico Couto
É comigo, mas sem confusões

Quanto à malha falas mal
Desforra, quando quiseres
Arranja tempo e material
Até engoles clisteres!

A nadar até lá vou
Sou peixes des’que nasci
Mas “crava” à que não sou
O Ratola 2 eu descobri

Deixo-vos a pensar em mais
Mas não queimem os neurónios
É que os problemas cerebrais
São normais em possidónios

No fim “daindes-me” toda a razão
“Trinca a broa, chupa o gargalo”
Ainda dizem que panões não são
Mas andem coa mão no badalo
(Um do outro, claro)

MUAHAHAHAHAHAH!

Pedro Galinhas disse...

AHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA...AHAHHA

Pedro Galinhas disse...

AHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA...AHAHHA